segunda-feira, 31 de janeiro de 2011


Cansei de caçar seus verbos soltos, escudos de quem acha que tem o gênio indomável sabendo que não passa de um daqueles que enguiçam a raça humana. Se quiser vir, que seja sem esse egoísmo tão "século-vinte-um" de trilhar caminhos pela metade, escapar pelos canteiros e me deixar falando pelos cantos. Se for pra calar minha boca, vem. Se for pra reescrever minha vida, vem. Mas que seja à caneta.

em: Caras como eu.

domingo, 30 de janeiro de 2011

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

sobre um dia: vinte seis de janeiro



então foi assim, como que manso, como que improvavel. em março daquele sofrido ano, chegou, com um sorriso discreto e aquela tranquilidade estranha à dona de olhos verdes tomados de sustos. chegou por acaso, apresentado por um cruzamento de vida, cheio de conversas nos caminhos para obrigações adolescentes. chegou assim, discreto, meio timido, tão calado, mas de alma bonita e palavras sinceras. tomou assim, de março, chegou abril e entre tantas frases escritas, telefonemas amigos e tardes de domingo, ficou assim. então, como que ainda mais inesperado, veio maio com seu ar de mudança, com seu jeitão "meio de ano", com sua importância ainda indefinida. chegou assim, tomou assim, ficou assim, amor? sim.
um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito... agora de um quase nove. ficou assim. ficou bonito, gostoso, calmo, tropego, tempestivo, alegre, briguento, tacanho, teimoso, vivo, sedutor, amor... chegou aos poucos, ficou de vez, tomou assento, firmou presença. eis um grande sorriso e uma alma leve, de cheiro gostoso e sorissos bobos.
e então, assim, despretensioso, se apoderou do reino, vestiu a capa, recebeu coroa, um rei vitorioso. enfim, sossegou, brando e carinhoso.
amor tem desses tipos inexplicaveis. chega assim, fica, ficando, amando, tomando, vivendo, chorando, refazendo. amor tem dessas coisas de sentir tudo e mais um pouco, de amar amando mil vezes e amar mais um punhado. amor tem dessas de reconhecer e desconhecer. tem um bocado de muito, um pouco de nada, uma soma de vida e um tanto de sorte.
amor vem assim, fica, ama, nutre, ensina, constroi, suporta, sorri e vive. vive intensamente em mim nesses quase nove, hoje também vinte e cinco. amor tem dessa coisa, um dia um bebê amado pela mãe, hoje homem amado por mulher. amor é isso e mais um tanto sem fim.

feliz aniversário.

si.


e ela, que tantas vezes fingiu aceitar um fato inegável da linearidade e do desfecho da vida, ri de si mesma e das suas verdades, enquanto acredita e espera. de fato, um dia ou outro imagina, que no fim o melhor seria se deixar, mas comumente relembra que não existe nada tão certo quanto a imprevisibilidade e nada tão puro quanto a fé inabalável e aquela força... sim, aquela que a impulsiona a buscar desesperadamente ar puro, fresco e merecido. por dias, ela se esconde entre raízes mais fortes do que caules novos, mas logo mais volta a se fortalecer, desestabilizando até os mais firmes e determinados principios. ela é um ramalhete de redefinições e sorri, já que - por hora - renascer e acreditar é o que a mantêm no mundo e, definitivamente, o que - em muitos momentos - a salvou de si mesma.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

história da vida.


ando achando tudo um pouco confuso. como um livro descosturado em que as páginas voaram com o vento e uma alma caridosa busca reordenar. mas, invariavelmente, pelo número de folhas, a organização não cai bem e páginas desordenadas se unem por um lapso de linearidade.
é verdade, nem sempre deveria ser 100% correto e quadrado, mas por hora, me engrandeceria um bom humor cotidiano e simples, sem falsas promessas ou sonhos demais. eu não sonho demais, acredito. minhas mil e uma vontades são reflexo do que eu sou e não excesso de mim.
nessa busca frenética por encontrar as páginas certas, minhas vistas se distraem do mundo e quando olho em volta, mais um dia se foi.
não seria apenas um mero devaneio imaginar como seria o mundo se o meu mundo fosse de outra forma, mas seria utópico viver a esperar que esse mundo se realizasse. no meu mundo torto e banguela, falta uma série de conteúdos, como aquelas palavras que o editor cortou por achar desnecessário, mas que, no momento em que foram escritas, eram essenciais. entretanto, a escrita não volta e não existe presente no passado.
o melhor não seria exatamente procurar as páginas que voaram com o vento e se deixam levar pela brisa, mas sim escrever novos registros e alimentar outras linhas. reconstruir seria a opção correta, realinhar não se mostra ineficaz.
nesses dias de caos no mundo, o meu mundo caótico por consequência aguarda com fé um sossego da vida.
no passaporte, ainda não carimbaram minha passagem de volta, mas me desejo um voo tranquilo, rumo a novos ares.
queria mesmo deixar as páginas voarem livres e escrever uma nova história, mas o dia esmoreceu e a noite se espalha. e na confusão da vida, ainda receio os novos enredos.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

coisas da vida.


a vida tem dessas. tem tantas outras. tem milhões.
a vida tem tudo e tem a mim.
a vida tem dessas e eu vou vivendo.

a vida tem essa paz e eu vou encontrando.
não é fácil, eu sei. mas nada é tão fácil assim...

a vida tem dessas, tantas, milhões
e eu aqui tenho também.

tenho um tudo.
quero encontrar a (minha) paz.

foto.

sábado, 15 de janeiro de 2011

chuvas.

ainda me assusto ao perceber o quanto o Rio sofre com as chuvas. ando meio covarde e por isso não vejo as notícias, apenas torço para que, logo, tudo isso termine. acredito que é redundante reclamar do descaso dos responsáveis que só olham para certos problemas quando eles desabam levando centenas de vidas.
mas ontem, enquanto via as fotos do G1, uma em especial, marcou meu dia.



é impossível não sentir o corpo arrepiar com essa imagem e assim, eu percebo o quanto real é a dor dos que estão lá, na chuva, sem casa, com a dor de perder tanto e com falta de um tudo.
e a chuva que leva é também a que deixa um mar de lama, dor, perda e sofrimento.

mas, como boa pollyana que sou, destaco os que correm para socorrer os que sofrem e os que se debruçam sobre a dor para acalentar corações maltratados. tenho profundo respeito por estes.

rezem pelo Rio.

sábado, 8 de janeiro de 2011

sobre essa coisa chamada ano novo.

ainda irão provar cientificamente a energia cósmica transmutada entre um ano e outro. existe um quê de começar de novo, refazer, novos planos, outros rumos. existe uma sensação de possibilidade.
[e existem os que não se permitem sentir essa energia.]

na verdade, acho que explicam esse acontecimento. o que move um novo ano é a bela capacidade do ser humano em acreditar: acreditar que é possível, com toda a certeza, realizar o diverso e não apenas o que existe.

2011 realmente ainda me assusta, pois é novinho em folha, mas existe aquela fé inabalável que me move e me faz crer que sempre é tempo.

[no início, no fim, ou no meio de um ano qualquer.]

foto.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Ano novo.




2010 ficou para trás e com ele, aquela sensação incrível de dever cumprido e alma limpa. não foi um ano fácil, admito, mas eu não me recordo de ter vivido anos fáceis nos últimos tempos. olho para trás satisfeita por perceber que atingi grandes metas e me gela a barriga imaginar o que 2011 me reserva.
2010 foi aquela coisa "ó, minha filha, escuta aqui, agora ou vai ou racha", assim mudei de casa, cuidei mais de mim, mudei minhas safenas, mudei minha casca, mudei a mim mesma, mudei status de relacionamento, mudei minhas verdades e minha forma de ver o mundo, mudei minha figura, mudei meu sorriso, mudei um tudo e no fim, mudei meu mundo.
encarei grandes desafios e descobri que eles não são tão grandes assim, percebi coisas que nunca saberia se alguns não me gritassem na cara, percebia que perfeição é utopia insignificante e iniciei aquele processo em entender e aceitar o valor das pequenas mudanças internas.
olhando para trás e percebendo tudo de 2010 é compreensível que tenha medo do 11, mas, como sempre, vou andando, dando a cara pra bater e tocando o barco. afinal, sou em essencia um ser que acredita que novos ventos trazem boas novas.

vem com fé, 2011!